Maresia na Costa

24 novembro 2006

O carangueijo pilado, história e iscagem


O meu amigo António Simões da EFSA Portugal, não pára, é uma autentica enciclopédia de estudos e de vivências que adora partilhar com os amantes da pesca, aqui vai um dos seus textos cheios de saber:

Considero este caranguejo, também chamado por patela, escasso ou mexoalho, o melhor isco de todos e porquê?

Desde tempos imemoriais, princípios do Século XIV, que a apanha deste caranguejo ao longo da costa Portuguesa entre a Nazaré e a foz do Rio Minho, mobilizou e alimentou populações na sua apanha e venda para fertilizantes orgânicos da terra. Comunidades piscatórias actuais foram fundadas, como a Apúlia, pela apanha de pilado, porque em dias de nortada rija, os pescadores da Afurada e Espinho, abeiravam a terra e aí permaneciam em palhotas até que o mar e vento acalmassem.

A campanha começava no inicio do Verão e terminava no Outono.

O mar tingia-se dum amarelo acastanhado, as barcaças leiloavam na areia este frescum e pão do mar aos agricultores da região.

Com a entrada do meio do Século XX, do Nitrato do Chile, o primeiro adubo, industrializado, esta arte entrou em decadência até aos nossos dias.

Vitimas do excesso da apanha talvez, as nuvens de pilado hoje em dia são dispersas, o robalo e sargos perseguem-nos, estão aos milhares por vezes fixos nas laminarias (n/alga castanha) agarrados aos fundos e são um petisco, um manjar inesgotável, para o peixe. Está-lhes nos genes, o seu odor ao peixe é inconfundível, é uma das bases da sua alimentação.

O pilado, suas características: É um caranguejo que tem a capacidade de "voar" na água, devido ao último par de patas ter uma forma achatada, plana e arredondada no final.

Os robalos engordam no Verão com tamanha abundância de comida disponível suspensa na água ali mesmo à feição de abocanhar.

A sua vinda à costa no Verão tem dois motivos, o seu acasalamento, numa média de 60 % de machos e 40 % de fêmeas, é o alimento sustentado nos cardumes de sardinha aprisionadas nas redes de cerco, e de suspensão.

Aparece todo o ano, mas em quantidade e melhor qualidade para iscar é agora nos meses de Setembro, Outubro e Novembro, e porquê?

Como iscar e escolher o pilado: É o melhor isco de todos mas… por ser difícil a sua conservação fresco e vivo, só quem vive à beira-mar ou se dirija a casas especializadas na venda do mesmo é que consegue arranjar.

Morto o caranguejo, o seu recheio depressa fica negro, putrefacto, não serve para nada.

Escolher o pilado para Casting, ao tento, à chumbeirinha, à bóia ligeira: para fazer a chucha do pilado ou iscar o seu recheio directo só se escolhem as fêmeas. Estão ovadas cheinhas de ova amarela no seu casco, os machos não têm nada, só cartilagem e água.

Como fazer a sua iscada: Apanhando as fêmeas vivas, cortar-lhes logo as pinças, são terrivelmente dolorosas e sangrentas e dada a sua agilidade, não é difícil apanhar-nos distraídos...

Com uma tesoura de cortar peixe, apara-se o rebordo da carapaça. Seguidamente, com uma faca fina e muito afiada, levanta-se a mesma e rapa-se todo o seu recheio.

Para iscar lanços mais afastados devem fazer a tradicional chucha com meia de senhora, iscar com um anzol fino na borda da dobra onde cortaram a meia tendo o cuidado de não perfurarem a dita cuja com o bico do anzol.

Para lanços mais de perto, suaves, devem iscar directamente, pondo um bom bocado por cima do anzol e com linha elástica muito fina apertar um nadinha. Se andar peixe, é tiro e queda, a própria lavagem e o odor libertado pela ova, o peixe come em milésimas de segundo. Neste sistema directo mais de dois minutos na água é tempo a mais, o mar já lavou o miolo. Com a chucha, se não romper a meia no lanço, o miolo leva mais tempo a lavar, podem ficar uns minutos com a iscada dentro de água.

Neste sistema podem ir engodando com as carapaças o pesqueiro, e se levarem em excesso, podem-no triturar para engodagem.

Para pescarem à bóia com pilado vivo ao robalo, é indiferente se são fêmeas ou machos, apenas importa que se mexam no anzol, (devem mantê-los vivos no oxigenador). O anzol deve ser do tipo Aberdeenn, fino, para não matar o caranguejo e deve deixá-lo mover-se facilmente. Deve ser iscado pela carapaça de lado na ponta junto ao terceiro, quarto par de patas.

Caso pensem em fazer chuchas do mesmo para as guardarem no congelador para outros dias de pesca, não sou muito adepto disso, a chucha fica negra. Sou adepto do fresco apanhado, comprado na hora, guardado no frigorífico, com um pano húmido de água salgada, por cima e pescar durante a noite do mesmo dia.

Boas pescarias!

5 Comments:

  • Ora ai está um bom tema.
    Caranguejos!
    Pelos vistos por aquelas bandas, abundam.....
    Para uns são pragas para outros um pitéu ......
    A explicação foi elucidativa.
    Gostei.
    Fiquem bem

    By Blogger José Cavalheiro, at 8:42 da tarde  

  • Viva...

    Sou mais ou menos neófito nas coisas da pesca, mas gosto, e muito! Por isso, diga-me, onde estou o peixe não abunda, há, por épocas, bastante pelágico(atum, por exemplo), mas eu gosto é das rochas e das praias. Ora, a isca que uso é a cavala e o camarão, que, por vezes resulta bem. Mas, tenho reparado que os bicharocos por aqui se atiram forte e feio ao ouriço. Ora, a gaita é que não estou a ver como transformar estes espinhudos em isco! Tem ideia de como o conseguir??
    SE puder responder, sou grato, se não, grato sou de igual modo.
    Gosto do blog, a prosa é boa e escorreita, simples, nada pretensiosa mas eficáz.

    By Anonymous ricardo, at 12:16 da tarde  

  • Viva Ricardo,

    Pode fazer chuchas da ova de ouriço, é um pitéu como há poucos para sargos e douradas, estas últimas também gostam de ouriço inteiro, daqueles mais pequenos, claro. Raspa-se 2/3 dos picos e anzol 3/0 lá enfiado.

    Abraço,

    By Blogger A. Ferreira, at 9:44 da manhã  

  • Execelente artigo sobre o pilado...! suponho que será o mesmo tipo de caranguejo que utilizo para pescar na minha zona e que se apelida de Caranguejo Muda ou somente muda.
    O robalo come o caranguejo tal e qual nos o comemos a ele...hehe...um pitéu do melhor que ha! :D
    Boas pescas e continue a postar artigos interessantes como este!
    Grande abraço

    By Anonymous Anónimo, at 12:36 da manhã  

  • Gostei deste blog até porque o tema á algo que raramente se lê.Parabéns , este caranguejo autótone dos litorais em Vila Nova de Gaia cujos esconderijos litorais como as barroeiras, serviram este ano para mim, tema para concorrrer à National Geographic Portugal com duas fotos em 24x30 onde mostra precisamente as barroeiras lindissimas e o caranguejo pilado.
    Os meus parabéns muito sinceramente.
    Continue assim...

    By Anonymous Jorge Amaral, at 2:30 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home